Publicado em

Casa Nova? Veja como pode poupar.

Os edifícios de habitação representam cerca de 25% do consumo total de energia da União Europeia. O custo cada vez mais elevado da factura energética coloca na ordem do dia a questão da eficiência energética no sector habitacional. Deixamos algumas dicas que poderão fazer a diferença na tomada de decisão na aquisição de uma habitação mais eficiente.

Localização e Orientação do Edifício
A localização de uma habitação influencia o projecto de construção de modo a satisfazer as necessidades de conforto dos ocupantes. O Regulamento de Características de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE) apresenta as estratégias bioclimáticas mais adequadas para cada região nacional (identificadas em zonas climáticas), que contribuem significativamente para a melhoria do desempenho global dos edifícios.

A correcta orientação do edifício permite tirar partido do Sol, reduzindo as necessidades de climatização artificial. No Inverno, as radiações solares permitem um aquecimento gratuito dos espaços. É por isso importante que a principal fachada do edifício esteja virada para Sul, com maior incidência solar. Por outro lado, a parte da casa virada a Norte, Nascente e Poente, deve contar com poucas janelas, ou janelas de pequenas dimensões, para evitar a saída de calor no Inverno. No Verão, para evitar o sobreaquecimento convém proteger as janelas com protecções solares adequadas (palas, persianas, película reflectora, vegetação, etc.).

Isolamento
O isolamento térmico do edifício adequado minimiza as perdas de calor no Inverno ou ganhos de calor no Verão, mantendo assim uma temperatura mais constante no interior de sua casa.

Paredes, cobertura e pavimentos
Estima-se que cerca de 60% da energia usada para aquecimento durante o Inverno se escape através das paredes, coberturas e pavimentos. O correcto isolamento destas superfícies opacas permitem alcançar uma maior resistência térmica, minimizando as fugas de calor.

    • Cobertura (terraço ou telhado):
      Utilize isolantes térmicos imputrescíveis e resistentes à água, preferencialmente colocados sobre a laje e a camada de impermeabilização;
      paredes exteriores: aplique isolamento contínuo pelo exterior com materiais permeáveis ao vapor, permitindo eliminar as pontes térmicas e melhorar o aproveitamento da inércia térmica do edifício. Poderá também proceder ao isolamento no interior de parede dupla ou na face interior de parede simples;

 

    • Pavimento em contacto com o solo:
      Utilize isolantes térmicos imputrescíveis e resistentes à água, ou pavimentos de madeira flutuantes com caixa-de-ar;

 

  • Pontes térmicas (vigas, pilares, intersecção com lajes, ombreiras de portas e janelas). Quando o isolamento é efectuado em parede dupla ou pelo interior, é necessário isolar as pontes térmicas de modo a evitar o aparecimento de humidade e manchas de bolor.
    É importante escolher materiais homologados e solicitar os certificados de ensaios com as especificações, realizados por laboratórios acreditados, e seguir as instruções dos fabricantes, para cada um dos tipos de aplicação.